02OUT

1º Oficina de Submissão de Artigos da Pará Research Medical Journal

Na oficina, os candidatos a submissão de artigos receberam informações de como evitar erros que tem sido comuns no momento da submissão desde falhas na redação do artigo, omissão de documentos obrigatórios, até a aprovação no comitê de ética, já que as pesquisas envolvem seres humanos”, esclareceu o Editor Chefe

http://www.santacasa.pa.gov.br/ensino/noticias/detalhe/?id=539

Pará Research Medical Journal
https://www.prmjournal.org/article/doi/10.4322/prmj.2019.027
Pará Research Medical Journal
Artigo de Pesquisa Pediatria

Mortalidade infantil por doenças infecciosas e parasitárias no estado do Pará: vigilância de óbitos entre 2008 a 2017

Child mortality for infectious and parasitic diseases in the state of Pará: surveillance of deaths between 2008 to 2017

Julieth Ferreira Sousa, Kedma Farias dos Santos, Deivid Ramos dos Santos, Adriana Veiga da Conceição Silva, Inara Santos Pereira, Ronel Correia da Silva

Downloads: 0
Views: 66

Resumo

Objetivo: Analisar a ocorrência da mortalidade infantil por doenças infecciosas e parasitárias no estado do Pará. Métodos: Estudo com abordagem quantitativa, analítica, retrospectiva, abrangendo uma série histórica do ano de 2008 até 2017. Para análise dos resultados, utilizou-se testes estatísticos não-paramétricos, Qui-quadrado e teste G, capazes de expressar associação estatística. Resultados: Foram notificados 1530 óbitos infantis no estado do Pará, com uma queda em 47,8% entre o período estudado. A população indígena teve a maior taxa de mortalidade. 92,5% (n = 1415) dos óbitos ocorreram no período pós-natal e 51,7% (n = 791) com escolaridade materna entre 4-11 anos. Conclusão: A mortalidade infantil ainda pode e deve ser reduzida, pois em sua grande maioria atinge indivíduos no período pós-natal e possui maior incidência quanto menor a escolaridade materna e menor acesso à saúde.

Palavras-chave

mortalidade infantil; doenças transmissíveis; vigilância em saúde pública

Abstract

Purpose: To analyze the occurrence of infant mortality due to infectious and parasitic diseases in the state of Pará. Methods: Study with a quantitative, analytical, retrospective approach, covering a historical series from 2008 to 2017. For the analysis of the results, we used non-parametric statistical tests, Chi-square and G test. Results: 1530 infant deaths were reported in the state of Pará, with a fall of 47.8% between the study period. The indigenous population had the highest mortality rate. 92.5% (n = 1415) of deaths occurred in the postnatal period and 51.7% (n = 791) with maternal education between 4-11 years. Conclusion: Infant mortality still can and should be reduced because its great majority affects individuals in the postnatal period and has a higher incidence when lower maternal schooling and lower access to health.

Keywords

infant mortality; communicable diseases; public health surveillance.

Referências

1. Gava C, Cardoso AM, Basta PC. Mortalidade infantil por cor ou raça em Rondônia, Amazônia Brasileira. Rev Saude Publica. 2017;51(35):1-8.

2. Prestes EX, Mallol J, Solé D. Sibilância recorrente em lactentes no primeiro ano de vida em Belém (Pará, Brasil): prevalência e fatores de risco associados. Para Res Med J. 2019;3(2):1-9. http://dx.doi.org/10.4322/prmj.2019.008

3. Vilela MBR, Bonfim C, Medeiros Z. Mortalidade infantil por doenças infecciosas e parasitárias: reflexo das desigualdades sociais em um município do Nordeste do Brasil. Rev Bras Saúde Matern Infant. 2008 Out;8(4):455-61.

4. França EB, Lansky S, Rego MAS, Malta DC, França JS, Teixeira R, et al. Principais causas da mortalidade na infância no Brasil, em 1990 e 2015: estimativas do estudo de Carga Global de Doença. Rev Bras Epidemiol. 2017;20(1 Suppl):46-60. http://dx.doi.org/10.1590/1980- 5497201700050005. PMid:28658372.

5. Brasil. Ministério da Saúde. Saúde no Brasil 2013: uma análise da situação e das doenças transmissíveis relacionadas à pobreza. Brasília: Ministério da Saúde; 2014.

6. Gava C, Cardoso AM, Basta PC. Mortalidade infantil por cor ou raça em Rondônia, Amazônia Brasileira. Rev Saude Publica. 2017;51(35):1-9 http://dx.doi.org/10.1590/s1518-8787.2017051006411. PMid:28423134.

7. Santos DR, Nogueira LMV, Paiva BL, Rodrigues ILA, Oliveira LF, Valdas SP. Mortalidade materna na população indígena e não indígena no Pará: contribuição para a vigilância de óbitos. Esc Anna Nery. 2017;21(4):1-9. http://dx.doi.org/10.1590/2177-9465-ean-2017-0161.

8. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. População residente, segundo a situação do domicílio e condição de indígena – Brasil 1991/2010. [Internet]. Rio de Janeiro: IBGE; 2019. [citado em 2019 mar 17]. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/cidades-e-estados/pa.html

9. Barbeiro FMS, Fonseca SC, Tauffer MG, Ferreira MSS, Silva FP, Ventura PM, et al. Óbitos fetais no Brasil: revisão sistemática. Rev Saude Publica. 2015;49(22):1-15. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-8910.2015049005568. PMid:25902565.

10. Brasil. Ministério da Saúde. Departamento de Informática do SUS [Internet]. 2019 [citado em 2019 abr 17]. Disponível em: http://www2.datasus.gov.br/DATASUS/index.php?area=02

11. Ramalho AA, Andrade AM, Martins FA, Koifman RJ. Tendência da mortalidade infantil no município de Rio Branco, AC, 1999 a 2015 [Internet]. Rev Saúde Pública. 2018;52(33):1-11 [citado em 2019 jul 13]. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89102018000100226&lng=en

12. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Coordenação Geral de Informações e Análise Epidemiológica. Nota técnica: vigilância epidemiológica de óbitos infantis e fetais. Brasília (DF); 2016.

13. Borges GM. Health transition in Brazil: regional variations and divergence/convergence in mortality. Cad Saude Publica. 2017;33(8):1-15. http://dx.doi.org/10.1590/0102-311x00080316. PMid:28832781.

14. Oliveira CM, Bonfim CV, Guimarães MJB, Frias PG, Antonino VCS, Medeiros ZM, et al. Vigilância do óbito infantil no Recife, Pernambuco: operacionalização, potencialidades e limites. Epidemiol Serv Saude. 2017;26(2):413-9. http://dx.doi.org/10.5123/S1679-49742017000200019. PMid:28492783.

15. Pires AS, Almeida NMS. Mortalidade por septicemia bacteriana: um estudo descritivo no período perinatal. Rev Enferm Contemp. 2016;5(1):78-86. http://dx.doi.org/10.17267/2317-3378rec.v5i1.946.

16. Torres Fo HM. Gastroenterites infecciosas. J Bras Med. 2013;101(2):25-9.

17. Teixeira JJMB, Santos DR, Rocha MSFM, Silva SCR. Aspectos étnicos da mortalidade infantil: uma contribuição para a vigilância de óbitos na população indígena e não indígena no Pará. Para Res Med J. 2019;3(2):1-8. http://dx.doi.org/10.4322/prmj.2019.014.

18. Marinho GL, Borges GM, Paz EPA, Santos RV. Mortalidade infantil de indígenas e não indígenas nas microrregiões do Brasil. Rev Bras Enferm. 2019;72(1):57-63. http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167-2017-0646. PMid:30916268.

19. Gastaud ALGS. A mortalidade materna e a mortalidade infantil em Mato Grosso do Sul, Brasil, de 2000 a 2002 [tese]. Campo Grande (MS): Universidade Federal de Mato Grosso do Sul; 2007.

20. Ferreira MEV, Matsuo T, Souza RKT De. Aspectos demográficos e mortalidade de populações indígenas do Estado do Mato Grosso do Sul, Brasil. Cad Saude Publica. 2011;27(12):2327-39.

21. Matos LN, Alves EB, Teixeira EMM, Harbache LMA, Griep RH. Mortalidade de infantil no município do Rio de Janeiro. Esc Anna Nery. 2007;11(2):283-8. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-81452007000200015.

22. Fonseca SC, Flores PVG, Camargo Jr KR, Pinheiro RS, Coeli CM. Escolaridade e idade materna: desigualdades no óbito neonatal. Rev Saude Publica. 2017;51(94):1-7. http://dx.doi.org/10.11606/S1518-8787.2017051007013. PMid:29166446.

23. Malta DC, Duarte EC, Escalante JJC, Almeida MF, Sardinha LMV, Macário EM, et al. Mortes evitáveis em menores de um ano, Brasil, 1997 a 2006: contribuições para a avaliação de desempenho do Sistema Único de Saúde. Cad Saude Publica. 2010;26(3):481-91. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2010000300006. PMid:20464067.

24. Victora CG, Matijasevich A, Silveira MF, Santos IS, Barros AJD, Barros FC. Socio-economic and ethnic group inequities in antenatal care quality in the public and private sector in Brazil. Health Policy Plan. 2010;25(4):253-61. http://dx.doi.org/10.1093/heapol/czp065. PMid:20123940.

25. Victora CG, Aquino EML, Leal MC, Monteiro CA, Barros FC, Szwarcwald CL. Maternal and child health in

5e1889300e8825063f674b54 prmjournal Articles
Links & Downloads

PRMJ

Share this page
Page Sections